Circularidade económica da natureza




#ConhecimentoNatural.

Rubrica de educação e sensibilização ambiental para a revista RaízesMag.

Volume 6 _ jul/ago 2019

Não se trata de economia, trata-se da forma mais simples e sustentável de adaptação e sobrevivência. Trata-se do pequeno e complexo pormenor que possibilita toda a existência. São os vários ciclos - e podem imaginá-los como os motores - ou as várias rodas dentadas que mantêm o planeta a funcionar.


Árvores, arbustos e ervas crescem alimentando-se de água e minerais no solo, e carbono do ar. São os Produtores. Elas ou os seus frutos são alimento para os consumidores de primeiro nível. Estes, por sua vez, são o alimento dos consumidores de segundo nível, que alimentam os de terceiro nível, e assim vamos avançando na cadeia trófica.

Quando as plantas ou os animais morrem, entram em cena os animais necrófagos e outros organismos decompositores (animais, fungos e bactérias), que se alimentam dos cadáveres, limpando o ecossistema, e com um papel fundamental na prevençam da disseminação de doenças.

Neste prcesso, eles transformam os restos orgânicos em água e minerais, que alimentam as árvores, arbustos e ervas e outros organismos.

Este é, de forma simples, o ciclo da matéria orgânica. Dentro dele cabem uma série de outros ciclos, como parte do ciclo do Carbono ou do Nitrogénio


A água dos rios, lagos e oceanos evapora para a atmosfera e junta-se à água transpirada pelas plantas e evaporada da terra (evapotranspiração), em forma de vapor de água. Lá no alto, com a baixa temperatura, esta água condensa e formam-se as núvens, que são transportadas pelo vento. Quando se proporcionam as condições ideais, a água aprisionada nas núvens volta à terra.

Esta precipitação pode ocorrer sob forma de neve, granizo ou chuva. Pode ficar aprisionada sob a forma de neve, até derreter, ou infiltrar-se no solo.

Desta forma, pode voltar às plantas, ou encontrar o seu caminho até rios e lagos, chegando ao oceano ou aos lençois freáticos, onde pode também percorrer grandes distâncias e voltar a surgir, alimentando as mais diversas zonas húmidas, ou em fontes de água potável usadas por humanos e outros animais. está livre para tornar a evaporar e voltar às núvens.

Este é, simplificado, o ciclo da água.


As correntes oceânicas, tanto quentes como frias, são responsáveis pelo transporte de nutrientes, algumas delas de um ponto do globo para outro altamente distante, e influenciam o clima que se faz sentir nos vários pontos do planeta.

O vento é um dos fatores criadores das correntes ocenânicas e é afetado pela temperatura.


As moléculas de oxigénio, tal como todas as outras presentes no nosso planeta, têm um número finito, e também têm um ciclo.

O oxigénio atmosférico (O2) é respirado por animais, plantas, algas e alguns organismos protozoários, como o fitoplancton. Este O2 entra na respiração celular destes organismos, e no final é libertado dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera. Organismos fotossintéticos usam este CO2 para produzir energia com as moléculas de carbono, e o O2 é devolvido à atmosfera.

Se virmos bem, é engraçado pensar que as moléculas de oxigénio respiradas por nós, são as mesmas respiradas pelos dinossauros e as mesmas que serão respiradas por animais que nem conseguimos imaginar, e que habitarão a Terra daqui a milhões de anos!


#Tutisfore - conhecer para proteger

#RaízesMag