Biodiversidade? Sim, por favor!

#ConhecimentoNatural. Rubrica de educação e sensibilização ambiental para a revista RaízesMag. Volume 5 _ mai/jun 2019

Os ecossistemas da Terra não são impérvios à mudança. Uma floresta pode transformar-se num deserto "repentinamente", devido a uma catástrofe, ou ao longo do tempo, devido a mudanças progressivas no ecossistema. Qual o "segredo" para que isto não aconteça? No fundo, é a biodiversidade!


Podem imaginar a biodiversidade como uma manta, formada por tecidos de 3 cores: - diversidade de ecossistemas

                                                                                                                                        - diversidade de espécies

                                                                                                                                        - diversidade genética

Quanto mais tecido de cada cor e mais interligados os 3 estiverem, mais forte será e mais durabilidade terá a manta.


Pensemos um pouco nas florestas tropicais húmidas (a Amazónia é a maior do mundo), repletas de ecossistemas complexos, com grande diversidade de espécies e variedade genética dentro dessas espécies . Aqui, encntram-se algumas das maiores árvores do mundo, que podem chegar aos 40 m de altura. Lianas crescem do chão, apoiando-se no tronco das árvores, até às copas e acabam por se transformar em estruturas lenhificadas que ajudam a suportar estas árvores de enormes dimensões.

Apoiadas nas lianas, as árvores fornecem os frutos, sementes e folhas que são alimento de vários herbívoros. Estes por sua vez, dispersam as sementes pela floresta nas suas fezes, permitindo-lhes crescer em locais mais afastados da árvore onde foram criadas. O resto é consumido por inumeros insetos e outros decompositores, não só animais, mas também fungos e bactérias, que decompõem e reciclam nutrientes, ajudando a criar um solo mais rico.


A floresta tropical é um sistema enorme, repleto de sistemas mais pequenos, como estes que descrevi, cada um deles com diferentes espécies interligadas. Cada elo fornece estabilidade ao próximo, fortalecendo a manta da biodiversidade.


Esta manta é ainda mais forte devido à diversidade genética dentro de cada espécie, que lhe permite adaptar-se a mudanças no seu habitat. Uma espécie que tenha falta de biodiversidade genética, por estar isolada ou por ter uma população demasiado pequena, é muito mais vulnerável a estas mudanças, que podem ser causadas por alterações climáticas, doenças, ou fragmentação do habitat.


Quando uma espácie desaparece, desfaz-se um nó da manta, e partes da malha desintegram-se. Mas será que isto tem o mesmo impacte em todos os ecossistemas?

Se retirarmos apenas ma especie da floresta tropical húmida, desmorona todo o ecossistema? Não, o volume de espécies, a sua diversidade genética e a complexidade dos ecossistemas, formam uma biodiversidade tão rica, que uma espécie não teria um impacte assim tão grande. A floresta é resiliente, e consegue recuperar deste trauma.

Mas há outros ecossistemas que não conseguem responder da mesma forma.


Nos recifes de coral, muitos organismos são dependentes dos corais, que fornecem abrigo, microhabitats e zonas de reprodução e criação para milhares de espécies de peixes, crustáceos e moluscos. Os corais também formam relações de dependência (simbioses) com algas e fungos.

Podemos pensar nos corais como o tear, que permite tecer a manta da biodiversidade. neste ecossistema o coral é aquilo a que se chama uma espécie-chave, uma espécie de que muitas outras dependem para sobreviver.

Quando a poluição, más práticas piscatórias ou acidificação do oceano fragilizam a estrutura dos corais, podento acabar mesmo por matá-los, a perda desta espécie-chave deixa sem base de apoio todas as espécies que dela dependem, acabando por matar todo o ecossistema.


A biodiversidade é essencial para a sobrevivência de todos os organismos na Terra. Nós somos apenas mais um fio entrelaçado na manta. Mas somos uma (ou a) espécie com capacidade de ajudar a manter ou destruir ecossistemas por completo.


Se queremos ter um planeta sustentável, temos que ajudá-lo a manter-se em equilíbrio, através da perpetuidade dos seus ecossistemas, fortes e saudáveis. Umas das melhores formas de o fazer, é manter a maior biodiversidade possível, respeitando o habitat a que cada espécie pertence!


#Tutisfore - conhecer para proteger

#RaízesMag